Em 2017 faz 45 anos dum evento que marcou a Irlanda do Norte, pelos motivos mais trágicos. No dia 30 de Janeiro de 1972, durante uma manifestação pacífica, um conjunto de soldados britânicos atingiram a tiro mais de 20 civis. 13 tiveram morte imediata e os restantes ficaram feridos com gravidade.

Os ativistas protestavam maioritamente contra a política do governo britânico à época, que alegadamente prendia pessoas por suspeita de terrorismo, sem antes terem um julgamento prévio. A turbulência ideológica entre os protestantes da Irlanda do Norte com os católicos do Reino Unido foi também outro factor que apimentou a manifestação. A questão residia no desejo dos irlandeses da região norte que ansiavam a independência do Reino Unido, com o objectivo de unir com a República da Irlanda.

Podem não se interessar muito por este tipo de acontecimentos, mas quase de certeza que conhecem o «Sunday Bloody Sunday» dos U2, e que retrata os confrontos que ocorrem no dia 30 de Janeiro de 1972. Para além do statement político, o tema musical foi responsável por colocar os holofotes numa pequena banda irlandesa que viria a tornar-se numa das mais importantes do rock.

Sabiam, no entanto, que existiu um outro “domingo sangrento” histórico, mas no outro lado do Atlântico? Foi há 52 anos, que em plena marcha pelos direitos civis entre Selma até Montgomery, nos Estados Unidos da América, aconteceram motins policiais.

Neste artigo, a letra da música dos U2 servirá como “esqueleto” para relatar os acontecimentos destes dois domingos. Consoante o verso, o leitor será convidado a revisitar parte da História, numa viagem que dura meio século. A recolha dos conteúdos tem como objectivo de mostrar várias perspectivas das duas histórias. Ora comecemos:

 

I can’t believe the news today

(Excertos de jornais da época)

Oh I can’t close my eyes

And make it go away

(David Cameron, ex-primeiro ministro inglês, pede desculpa)

 

How long

How long must we sing this song (Resumo-vídeo com imagens do acontecimento)

How long, how long

Cause tonight, we can be as one

Tonight (Vídeo sobre a homenagem do 44º aniversário)

 

Broken bottles under children’s feet

Bodies strewn across the dead end street

But I won’t heed the battle call

It puts my back up

Puts my back up against the wall (Galeria de fotos sobre o acontecimento)

 

Sunday, Bloody Sunday

Sunday, Bloody Sunday

Sunday, Bloody Sunday

Sunday Bloody Sunday (trailer do filme documental com mesmo nome)

 

And the battle’s just begun

There’s many lost, but tell me who has won (Repercussões actuais que advêm deste evento)

 

The trench is dug within our hearts

And mothers, children, brothers, sisters (Perfil das vítimas do Bloody Sunday)

Torn apart

 

Sunday, Bloody Sunday

Sunday, Bloody Sunday

 

How long

How long must we sing this song

How long, how long

Cause tonight, we can be as one

Tonight, tonight. Tonight, tonight (Ainda hoje os U2 continuam a cantar o tema, mas com contornos diferentes)

 

Do outro lado do Atlântico

 

Sunday, Bloody Sunday

Sunday, Bloody Sunday (O que aconteceu neste Bloody Sunday?)

 

Wipe the tears from your eyes

Wipe your tears away

Oh, wipe your tears away

Oh, wipe your tears away

Oh, wipe your blood shot eyes (Retrospectiva através duma galeria de fotos)

 

Sunday, Bloody Sunday (Sunday, Bloody Sunday)

Sunday, Bloody Sunday (Sunday, Bloody Sunday)

 

And it’s true we are immune

When fact is fiction and TV reality (Discurso do presidente Obama durante o 50º aniversário do acontecimento)

 

And today the millions cry

We eat and drink while tomorrow they die (Vídeo sobre o evento de homenagem meio século depois)

 

The real battle just begun

To claim the victory Jesus won Discurso Martin Luther King)

On

Sunday Bloody Sunday

Sunday Bloody Sunday

 

 

Curadoria: João Pardal