O assunto deste artigo é sobre o Tony Carreira.

(silêncio constrangedor)

Posso avançar? Obrigado.

Entre eleições autárquicas, greves de enfermeiros e resultados de equipas portuguesas na Liga dos Campeões, uma das notícias que tomou de assalto nesta semana de regresso às aulas, foi a acusação do Ministério Público a Tony Carreira por plágio. Juntamente com o compositor Ricardo Landum, o cantor português é acusado de ter “arrogado autores de obras alheias” em 11 músicas, entre as quais êxitos como «Sonho de Menino» e «Não digas mais nada».

Qual balão de água arremessado em plena época carnavalesca, esta notícia caiu “que nem uma bomba” e surpreendeu algum público mais distraído. Na verdade, estas suspeitas deste “empréstimo” já eram um pouco de conhecimento público.

Em Maio de 2013, o músico português estabeleceu um acordo com entidades e assumiu-se como “adaptador” e não como autor de três temas, mas só depois de ter sido confrontado pela situação. Por vezes é julgado na “praça pública” (basta ver a secção de comentários deste vídeo).

Mas com concertos esgotados na Meo Arena e atuações em “Mega Pic-Nics”, ninguém tem tempo para questionar se a obra de um dos maiores (ênfase no maior) cantores românticos portugueses em termos comerciais.

No entanto, a maré mudou e agora estimado Tony está sob os holofotes de fraude. À semelhança de tantos outros, sou um mero opinador com um portátil e acesso à internet. Não estou aqui para julgar, porque, agora o caso está entregue à justiça portuguesa.

O objetivo consiste apenas em realçar as possíveis consequências que podem resultar deste caso que ainda mal começou. Na minha humilde opinião enquanto blogger, creio que se vai desvencelhar um cenário menos grave, ou seja, Tony Carreira não vai preso. Por outras palavras, o agora suspeito apenas vai gastar rios de dinheiro em advogados e possivelmente no pagamento de uma multa (pesada também) ao Estado português e às respetivas editoras dos cantores envolvidos.

Independemente do que aconteça, Tony Carreira acaba por manchar a sua imagem de “rouba corações” para “rouba canções”. Nesta situação todo o clã Carreira é agora posto em causa. Mickael e David terão seguido os mesmos passos do pai?

São perguntas que talvez sejam absurdas, porque fora de questionar o talento enquanto músicos, Tony, Mickael e David são autênticos performers e sabem cativar uma multidão.

Sei do que digo, porque, neste verão, presenciei um concerto do Mickael Carreira. Mais relevante do que achar dos seus dotes vocais, o espetáculo que apresenta em palco é deveras surpreendente e, digo mesmo, que é muito bom.

Com pouco mais para dizer, acabo esta crónica apenas com uma ideia para refletir: se o maior cantor romântico (outra vez ênfase no maior) é alegadamente uma fraude, na realidade em que podemos confiar?

Ainda bem que temos o Cristiano Ronaldo. Espera… há algo aqui que não bate certo…

Crónica: João Pardal / Foto: Site Oficial Tony Carreira